O “super medicamento” para emagrecer

Uma reportagem na revista Veja publicou uma manchete sobre a possível descoberta de um medicamento milagroso no processo de emagrecimento e isso causou um verdadeiro reboliço “por aí”.

O que é necessário deixar claro é que a obesidade é uma doença e que o excesso de peso é um caminho para a doença. Cuidar da saúde, eliminar os quilos a mais, envolve detectar as causas, estabelecer um tratamento específico, individualizado, avaliando cuidadosamente o organismo daquele paciente. Alguns suplementos podem ajudar nesse processo, mas nunca agirão isoladamente sem uma prescrição alimentar adequada. É já sabido e divulgado que medicamentos emagrecedores, trazem consequências.

Não há produtos milagrosos que vão resolver o problema da obesidade sem uma dieta adequada e exercícios físicos associados. Por isso, a Anvisa publicou sua decisão em relação ao medicamento Victoza (liraglutida) que resolvi publicar aqui.

A Diretoria Colegiada da Anvisa faz esclarecimentos para veículos de imprensa e para instituições ligadas à saúde (como o Conselho Nacional dos Secretários Estaduais de Saúde (Conass), Conselho Nacional dos Secretários Municipais de Saúde (Conasems) e Conselho Federal de Farmácia) sobre as indicações do medicamento Victoza (liraglutida), e afirma que a medicação é indicada para o tratamento de diabetes tipo 21 e não deve ser usada para emagrecimento.

Em nota, a Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) esclarece que o Victoza é um produto “biológico”. Ou seja, trata-se de uma molécula de alta complexidade, de uso injetável, contendo a substância liraglutida. O medicamento, fabricado pelo laboratório Novo Nordisk, foi aprovado pela Anvisa para comercialização no Brasil em março de 2010, com a finalidade de uso específico no tratamento de diabetes tipo 21. Portanto, seu uso não é indicado para emagrecimento.

A indicação de uso do medicamento aprovada pela Anvisa é como “adjuvante da dieta e atividade física para atingir o controle glicêmico em pacientes adultos com diabetes mellitus2 tipo 2, para administração uma vez ao dia como monoterapia ou como tratamento combinado com um ou mais antidiabéticos orais3 (metformina4, sulfoniluréias5 ou uma tiazollidinediona), quando o tratamento anterior não proporciona um controle glicêmico adequado”.

A agência ainda esclarece que trata-se de um medicamento “biológico novo” e, embora pesquisas tenham indicado eficácia e segurança aceitáveis, mesmo que indicado e utilizado corretamente, podem ocorrer eventos adversos imprevisíveis ou desconhecidos, que nesses casos devem ser informados ao médico.

Em estudos clínicos e nos relatórios apresentados à Anvisa foram relatados eventos adversos associados ao Victoza (liraglutida), sendo os mais frequentes: hipoglicemia6, dores de cabeça, náusea7 e diarreia. Além destes eventos destacam-se outros riscos, tais como: pancreatite8, desidratação9 e alteração da função renal10 e distúrbios da tireoide11, como nódulos e casos de urticária12.

Outra questão de risco associada aos produtos biológicos são as reações de imunogenicidade, que podem variar desde alergia13 e anafilaxia14 até efeitos inesperados mais graves. No caso da liraglutida, a mesma apresentou um perfil de imunogenicidade aceitável para a indicação como antidiabético.

Para o caso de inclusão de novas indicações terapêuticas deve-se apresentar estudo clínico Fase III comprovando a eficácia e segurança desta nova indicação.

Fonte: Anvisa

Leia a reportagem completa em:

Anvisa reforça esclarecimentos sobre medicamento Victoza

Anúncios

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s

%d bloggers like this: