Açúcar demais, gordura demais

Tenho falado bastante sobre os excessos na alimentação e suas consequências, fazendo com que a população adoeça mais, engorde mais e perca em qualidade de vida. Antes não tínhamos tantas informações como temos hoje, já que cada vez mais resultados de pesquisas são divulgados. Daí tanto “isso é bom para a saúde, isso não é bom”, etc. E muitos conceitos adotados hoje, podem mudar amanhã. Também vale dizer que existem pesquisas e “pesquisas” e o bom senso e a busca de mais informações se faz necessária.

Mas algumas notícias não são somente notícias, mas fatos comprovados como é o caso dos excessos na alimentação. Repetir quando se trata de alimentação correta =saúde, nunca é demais. Assim se fixa o conhecimento.

Uma pesquisa divulgada pelo Ministério da Saúde, revelou que mais de 60% dos brasileiros consomem quantidade de açúcar superior ao recomendado  (10% da ingestão total de calorias diárias) e, pelo menos, 82% da população ultrapassa o consumo ideal de gordura saturada (7% da ingestão total de calorias diárias).

A análise de consumo alimentar IBGE, apontou que no caso dos adolescentes a ingestão excessiva de açúcar é mais comum. Entre os idosos, quase 80% deles ingerem mais gordura saturada do que o limite tolerável.

O resultado disso são mais adolescentes e crianças obesas, com deficiências nutricionais, onde frutas e legumes são cada vez menos consumidas por essa população.

Os adolescentes já têm deficit de micronutrientes (vitaminas e minerais) desde cedo. É visível o açúcar e gordura saturada extrapolando os limites, porque eles [adolescentes] também são alvo da prevalência de alimentação fora de casa.

Os lanches escolares não são mais levados e cuidados em casa, mas feitos nas cantinas escolares e elas, em sua maioria, apresentam produtos carregados de gorduras (salgados fritos, pizzas e hamburger) e açúcar (refrigerantes, chicletes, balas, doces diversos). É comum crianças com 9,10,11 anos de idade com colesterol elevado e muitas delas, ninguém sabe porque quase não se faz exames dessa natureza em crianças.

E aí, como fica isso? Será que vale a pena satisfazer as vontades das crianças mesmo com as consequências nefastas sobre a saúde?

Aí entra o critério de cada um. Sempre digo que educar dá trabalho, mas que bons ou maus frutos poderão ser colhidos.

Anúncios

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s

%d bloggers like this: