Obesidade Zero

No Brasil, hoje, a obesidade é um problema muito maior do que a fome. O programa fome zero pretende que 44 milhões de pessoas não passem fome no Brasil, e mesmo sendo um valor superestimado ou não, existem mais de 70 milhões de pessoas consideradas obesas no país.

Nos últimos 20 anos a obesidade infantil cresceu 66 % nos Estados Unidos, o que desencadeou uma reestruturação desde o lanche vendido nas escolas até restrições nas cadeias de fast food. A obesidade é uma doença que está associada a vários problemas de saúde e pode levar à morte se não tratada. Em função disso, a preocupação com a saúde da população, leva à criação de um projeto de lei.

PROJETO DE LEI Nº 98/2011

A Câmara Municipal de São Paulo D E C R E T A:

“Fica instituído Programa Obesidade Zero, a ser coordenado pela Secretaria Municipal de Saúde e implantado na rede municipal de saúde pública, destinado à prevenção da obesidade, no sentido de garantir a saúde física da população”.

A obesidade é caracterizada como uma epidemia internacional e assume lugar de destaque dentre os diagnósticos clínicos na saúde nacional.
Desta forma, seja por necessidade de ações de saúde, seja por enfoque de mercado ou por ação de gestão econômica de recursos, faz-se necessário um rol de ações interligadas visando assumir a resolução desse problema.

No projeto OBESIDADE ZERO são elencadas “9 ações para chegar ao Zero”

1-Educação em Nutrição saudável nas escolas básicas e no currículo escolar

2-Estímulo aos hábitos de vida relacionados ao combate a obesidade.

3- Estimulo a atividade física, esporte e ginástica.

4-Efetivação e obrigatoriedade de profissionais de Nutrição nas unidades básicas de saúde, configurando a avaliação nutricional, principalmente de peso e altura, como a porta de entrada do sistema.

5-Desenvolvimento de projetos clínicos amplos com pesquisas e enfoques regionais e adaptadas às situações epidemiológicas, econômicas e culturais.

6- Normatização e legislação em alimentação saudável no enfoque que envolve marketing e propaganda.

7- Envolvimento empresarial do setor alimentício, interagindo com a população em atividades de motivação e mobilização no combate à obesidade.

8- Envolvimento das empresas de comunicação, na divulgação do projeto e no estimulo a atividades relacionadas.

9- Desoneração fiscal aos produtos alimentícios relacionados ao controle da obesidade.

Fonte: Instituto de Metabolismo e Nutrição

Fiz questão de trazer esse assunto aqui, a fim de evidenciar a atenção à obesidade não como uma preocupação estética, mas como uma ameaça à saúde. É preciso que essa educação nas escolas e principalmente nos lares,  fundamental para o futuro dessa população, não seja negligenciada.

Pais, não favoreçam que seus filhos tenham maus hábitos alimentares, comprando muitas guloseimas, biscoitos recheados, refrigerantes, pizzas, etc. Limite, pelo menos, a frequência desses alimentos e que em casa eles possam receber uma alimentação com frutas, legumes, verduras, cereais integrais, além dos outros alimentos que completam uma alimentação saudável já tão comentada nesse blog. Não opte pela facilidade mas pela saúde de sua família.

Anúncios

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s

%d bloggers like this: