Existe relação entre horas de sono e obesidade?

Sim. Diversas evidências epidemiológicas e experimentais confirmam a associação entre a diminuição de horas de sono e aumento do risco de obesidade.

O sono é um importante modulador da função neuroendócrina e do metabolismo da glicose. A redução do tempo de dormir resulta em alterações metabólicas e endócrinas, incluindo a diminuição da tolerância à glicose e da sensibilidade à insulina, desequilíbrio dos hormônios anorexígenos e orexígenos, com consequente aumento do apetite.

Os estudos epidemiológicos, realizados em diferentes regiões geográficas, têm examinado a associação entre sono e obesidade, tanto em adultos quanto em crianças. A maioria dos estudos encontrou uma associação significativa entre o sono curto (<6 h por noite) e aumento de risco para obesidade. Uma metanálise de 18 estudos com 604.509 indivíduos adultos demonstrou um aumento de risco relativo para obesidade de 1,55 (p < 0,0001) para aqueles que dormiam menos de 5 horas de sono.

Buxton e Marcelli (2010) realizaram um estudo com 56.507 adultos entre 18 e 85 anos de idade, que demonstrou um aumento de 6% na probabilidade de desenvolver obesidade nos indivíduos que tinham duração do sono (auto-relatada) de menos de 7 horas por noite.

Os mecanismos relacionados com horas de sono e obesidade ainda não estão totalmente esclarecidos, mas os pesquisadores apontam que os distúrbios causados pela diminuição nos horários de sono influenciam o apetite, saciedade e, consequentemente, a ingestão alimentar, favorecendo o aumento da obesidade.

Os mecanismos relacionados com horas de sono e obesidade ainda não estão totalmente esclarecidos, mas os pesquisadores apontam que os distúrbios causados pela diminuição nos horários de sono influenciam o apetite, saciedade e, consequentemente, a ingestão alimentar, favorecendo o aumento da obesidade.

Estudos demonstraram que a grelina, um hormônio orexígeno (que promove a fome) está aumentado após a restrição de horas dormidas, enquanto que a leptina, um hormônio anorexígeno (que contribui para a percepção da saciedade), está diminuído. Além disso, a diminuição de horas de sono pode afetar o gasto energético corporal, pois a leptina, é um hormônio que aumenta o gasto energético e, portanto, mudanças nos níveis de leptina após a privação de sono afetam tanto a ingestão calórica quanto o gasto energético.

Segundo os autores destes estudos, dormir é um processo restaurativo do cérebro, importante para a saúde física e mental. A diminuição da duração do sono é bastante comum na sociedade e levanta preocupações sobre impacto negativo dos distúrbios do sono na saúde em geral.

Anúncios

Etiquetas:, ,

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s

%d bloggers like this: