Transtornos Alimentares

Um novo relatório sobre transtornos alimentares nos Estados Unidos divulgado pela Academia Americana de Pediatria, revela um aumento acentuado nas internações de crianças por esse problema.

Entre os menores de 12 anos, as internações cresceram 119% entre 1999 e 2006. Segundo dados de 2009 liberados pela Agência de Pesquisa e Qualidade em Serviços de Saúde do país, as hospitalizações por distúrbios alimentares nos EUA aumentou 15% nesse período de sete anos. A maior elevação foi entre pacientes mais jovens.

A Academia de Pediatria recomenda que os médicos solicitem exames de rotina e encaminhem as crianças diagnosticadas com algum transtorno para tratamento especializado. O relatório diz que os profissionais podem ajudar a prevenir distúrbios alimentares, dando orientações sobre nutrição adequada e exercícios físicos para evitar uma fixação nada saudável por dietas e peso ideal.

Garotos já ocupam 60% dos leitos para anorexia no HC

Fonte: Folha de S. Paulo
Tradicionalmente associada ao universo feminino, a anorexia tem atingido cada vez mais homens. Hoje, eles ocupam 60% dos leitos da enfermaria do Ambulim (Ambulatório de Bulimia e Transtornos Alimentares) do Hospital das Clínicas de São Paulo, o primeiro do país a ter um grupo específico para tratar anoréxicos.

Em dois meses de funcionamento, o grupo conta com 16 jovens com idade média de 18 anos em tratamento, seis deles internados porque corriam risco de morte. Eles ocupam seis dos dez leitos do Ambulim, onde antes só havia meninas. Em 15 anos de existência, o ambulatório só havia tido cinco casos de anorexia masculina.

O fenômeno ainda é uma incógnita, não está restrito ao HC e está sendo objeto de pesquisas em vários países. Especialistas em transtornos alimentares também têm registrado aumento na procura de meninos em seus consultórios.

Nos homens, a perda excessiva de peso causa queda dos níveis de testosterona, perda da libido e atrofia dos testículos. Também pode levar a um grau extremo da desnutrição, em que o índice de mortalidade chega a 15% dos casos.

Para o psicólogo Raphael Cangelli Filho, coordenador do grupo de meninos no Ambulim, o diagnóstico da anorexia em homens tende a ser ainda mais difícil em razão da escassez de trabalhos científicos e do preconceito em torno do tema.

“Historicamente, os transtornos alimentares estão associados ao feminino. Muitos profissionais da saúde não estão familiarizados com o tema e familiares tendem a achar que a recusa em comer é frescura.”

Já o psiquiatra Celso Garcia Júnior, coordenador do ambulatório de transtornos alimentares da Unicamp (Universidade Estadual de Campinas), acredita que o aumento seja mais reflexo de uma demanda reprimida do que de uma mudança do perfil da doença.

Ele confirma, porém, que no seu consultório particular ocorreu um crescimento na procura de meninos anoréxicos. No ano passado, atendeu três casos em um período de dois meses. Antes, nunca havia tido esse perfil de paciente.

A mesma percepção tem a psicóloga Paula Melin, do Nuttra (Núcleo de Transtornos Alimentares e Obesidade), no Rio de Janeiro. Em um período de três anos, ela viu quintuplicar a demanda de anoréxicos

 Que são os Transtornos Alimentares?

Os Transtornos Alimentares são definidos como desvios do comportamento alimentar que podem levar ao emagrecimento extremo (caquexia) ou à obesidade, entre outros problemas físicos e incapacidades.

Os principais tipos de Transtornos Alimentares são a Anorexia Nervosa ( AN) e a Bulimia Nervosa (BN), Transtorno da Compulsão Alimentar Periódica (TCAP) e Obesidade.

As AN e BN são patologias intimamente relacionadas por representarem alguns sintomas em comum: uma idéia prevalente envolvendo a preocupação excessiva com o peso, uma representação alterada da forma corporal e um medo patológico de engordar.

Em ambos os quadros os pacientes estabelecem um julgamento de si mesmos indevidamente baseado na forma física, a qual freqüentemente percebem de forma distorcida.

Os portadores da doença também desenvolvem uma obsessão pela forma física e distorcem a auto-imagem a tal ponto que se sentem gordos mesmo estando com 38 kg. O resultado é a paulatina deterioração física e mental, inicialmente com sintomas leves, tais como queda dos cabelos, até complicações cardiovasculares, renais e endócrinas tão graves que podem levar a morte.

O impacto que os Transtornos Alimentares exercem sobre as mulheres é mais prevalente, ainda que a incidência masculina esteja aumentando assustadoramente. A Vigorexia, por exemplo, tem sido predominante nos homens, mas já se estão detectando casos de mulheres obcecadas pelo músculo.

Aspectos neurológicos e sócio-culturais dos Transtornos Alimentares 
Vários estudos epidemiológicos demonstram um aumento na incidência de alguns dos Transtornos Alimentares (Hsu, 1996) concomitante à evolução do padrão de beleza feminino em direção a um corpo cada vez mais magro (Garner & Garfinkel, 1980), notadamente da Anorexia e da Bulimia nervosas.

A Anorexia é quando a pessoa começa a recusar alimentos e refeições, se limitando a ingerir alguma fruta ou legume, como cenoura por exemplo. Embora seu peso e massa sejam drasticamente reduzidos, elas não conseguem perceber-se assim e continuam se vendo gordas, o que as estimula a comer ainda menos.

Na Bulimia, a pessoa pode até ingerir uma quantidade razoável de alimentos, mas depois provoca vômitos, ou faz uma carga exagerada de exercícios, ou toma laxantes para eliminar aquilo que ingeriu.  Via de regra, não são tão magras quanto as anoréxicas, mas correm riscos da mesma forma.

Esses distúrbios parecem ser mais prevalentes em países ocidentais e são claramente mais freqüentes entre mulheres jovens, especialmente aquelas pertencentes aos estratos sociais mais elevados destas sociedades, o que fortalece sua conexão com fatores sócio-culturais.

De acordo com esta concepção, a pressão cultural para emagrecer é considerada um elemento fundamental da etiologia desses transtornos, os quais, juntamente com fatores biológicos, psicológicos e familiares acabam gerando uma preocupação excessiva com o corpo, um medo anormal de engordar e uma ansiedade marcantemente acompanhada de alterações do esquema corporal. Essas são, pois, as características da Bulimia e da Anorexia.

Esses comportamentos, porém, podem ser um sinal de alerta para um problema mundial que atinge 1% da população feminina entre 15 e 40 anos e pode levar à morte, mas que só agora começa a receber a atenção devida no Brasil.

Como a Inanição Afeta os Sistemas do Corpo

Sistema
Efeitos
Sistema digestivo
• Baixa produção de ácido pelo estômago
• Diarréia freqüente, freqüentemente fatal
Sistema cardiovascular (coração e vasos sangüíneos)
• Redução do tamanho do coração, menor volume de sangue bombeado, freqüência cardíaca baixa e hipotensão arterial
• Em última instância, insuficiência cardíaca
Sistema respiratório
• Respiração lenta, capacidade pulmonar reduzida
• Em última instância, insuficiência respiratória
Sistema reprodutivo
• Redução do tamanho dos ovários nas mulheres e dos testículos nos homens
• Perda do impulso sexual (libido)
• Cessação dos períodos menstruais
Sistema nervoso
• Apatia e irritabilidade, embora o intelecto permaneça intacto
Sistema muscular
• Baixa capacidade para realizar exercícios ou trabalhar devido à redução do tamanho e da força dos músculos
Sistema hematológico (sangue)
• Anemia
Sistema metabólico
• Hipotermia (temperatura corpórea baixa), freqüentemente contribuindo para a morte
• Acúmulo de líquido na pele, resultante principalmente do desaparecimento da gordura subcutânea
Sistema imune
• Comprometimento da capacidade de combater infecções e reparar feridas

Na verdade, esses indivíduos têm uma relação distorcida com a comida. De acordo com o tipo de comportamento alimentar, a AN é também dividida nos subtipos restritivo e purgativo. Restritivo, no caso de limitação na ingestão de alimentos e purgativos que também associam laxantes e técnicas para eliminar o que consideram que ingeriram a mais.

Os pacientes com BN podem ter muita semelhança com os que têm AN:

possuem medo de ganhar peso, desejam perder peso e apresentam nível equivalente de insatisfação com seu próprio corpo. Entretanto, um diagnóstico de BN não deve ser dado quando a perturbação ocorrer apenas durante episódios de anorexia nervosa.

O Transtorno de Compulsão Alimentar Periódica

É uma atitude alimentar caracterizada pela ocorrência de episódios de comer grandes quantidades de comida em intervalos curtos de tempo, sensação de perda de controle sobre o ato de comer e, em seguida, arrependimento de ter comido. Esses episódios de hiperfagia são referidos na literatura internacional com o nome de Binge Eating.

A hiperfagia pode também ser um outro distúrbio isolado que traduz a falta de controle no ato de comer e a ingestão de grandes quantidades de alimento, só parando quando se sente empanturrada.

Esses 2 últimos distúrbios levam à obesidade, que é outro transtorno alimentar, se caracterizando por um IMC acima de 28, podendo chegar aos 40, o que é considerado obesidade mórbida.

A presença e a participação dos diferentes transtornos do comportamento alimentar, descritos acima, assim como a magnitude e a duração do processo, determinarão a intensidade das complicações observadas e os riscos de morbimortalidade nesses pacientes.

O tratamento é feito por uma equipe multidisciplinar, que envolve médicos, psicólogo, nutricionista, que vão dar a esse paciente a atenção, carinho e tratamento adequados, levando em consideração todas as suas dificuldades.

11 thoughts on “Transtornos Alimentares

  1. nilziane 12/07/2011 às 12:55 pm Reply

    eu acho que as pessoas devem ter o corpo do jeito que ele é pois nem todo mundo e perfeito

    • Concordo Nilziane. Mas, infelizmente, a mídia bombardeia a mente das pessoas exigindo corpos esbeltos e aparência impecável, levando as mulheres a grandes loucuras em nome da beleza:cirurgias desnecessárias, dietas irresponsáveis, uso de medicamentos emagrecedores que deixam sequelas e por aí afora.

  2. Janaína 05/04/2012 às 12:36 pm Reply

    Bem para começar o corpo é o resultado do estilo de vida que a pessoa leva, afinal somos aquilo que comemos, assim a pessoa que tem a alimentação saudável e equilibrada terá um corpo bonito e saudável, não necessariamente magro. O que importa é que a pessoa esteja saudável, e não magra. Mas o problema é que a mídia, assim como a sociedade em um todo, impõe a magreza como status de beleza, assim muitas pessoas fazem de tudo para atingir esse estereótipo, perdendo a saúde e muitas vezes até a vida.

    • Pois é Janaína, sabemos que o excesso de peso compromete a saúde, mas quantas loucuras em nome da beleza! a saúde em primeiríssimo lugar sempre.

  3. Beatriz Alves 25/07/2012 às 8:56 am Reply

    Sofro de compulsão alimentar, e bulimia mas não provoco vômitos só tomo laxantes e mesmo assim não emagreço só me livro do inchaço. Meço 1,56 e peso 76kg. Sei que faz mal à minha saúde, mas meu peso me deixa depressiva e tomo calmantes por causa disso. Não sei o que fazer.

    • Olá Beatriz,
      esses métodos são paliativos, passageiros, não produzem resultados efetivos. Aconselho a vc procurar a ajuda de um psicólogo/psicanalista que vai ajudar a identificar as razões de sua compulsão e ajudar no processo de controlá-la até que ela seja eliminada. Paralelamente, uma nutricionista vai ajudá-la a escolher alimentos mais adequados, equilibrando o organismo com nutrientes que suprirão necessidades orgânicas que têm favorecido a compulsão. Mas lembre-se, busque o emagrecimento para favorecer a saúde e não dê atenção a ditadura da magreza irresponsável que anda por aí.Tenha certeza do seu sucesso, vc vai conseguir. Um grande abraço

  4. Sulypazgreinert@hotmail.com 16/11/2012 às 10:16 am Reply

    Por favor tenho compulsão alimentar e gostaria de saber onde procurar ajuda aqui no Rio de Janeiro?meu imail sulypazgreinert@ hotmail.com

  5. Leonor 09/03/2013 às 8:56 pm Reply

    Eu acho que toda a gente é linda do jeito que é… nasceram com o corpo que têm, vocês são lindos da maneira que são. A beleza não é apenas ser-se magro, é também ser saudável, uma pessoa sudável tem uma beleza incondicionave!

    • Concordo com você, amiga. Em nome da beleza muitas loucuras são praticadas. Mas nesse caso é um distúrbio que precisa ser tatado e acompanhado porque leva à morte. O mais difícil é conseguir que essas pessoas se tratem. Um abraço.

  6. Andressa Turin 03/04/2014 às 2:13 pm Reply

    Olá, sou estudante de jornalismo de Curitiba e estou escrevendo uma matéria sobre transtornos alimentares. Teria algum outro e-mail pelo qual possa entrar em contato? O que estou enviando está voltando.
    Desde já agradeço,
    Andressa Turin.

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s

%d bloggers like this: